Datacom
08/02/2020
Interoperabilidade MPLS Datacom com outros fabricantes

Por Guilherme Pfeiff – Engenheiro de Aplicações de redes

A rede, conhecida hoje como Internet, é composta por milhões de equipamentos interconectados dos mais variados fabricantes. Para que ocorra a interoperabilidade dos mesmos é necessário que sejam seguidos padrões internacionais. Os padrões definidos pelos órgãos IEEE, ITU-T e IETF visam orientar os fabricantes de como deve ser desenvolvido e implementado cada protocolo rede pertinente.

Mesmo existindo estes padrões, há várias partes não obrigatórias no desenvolvimento da norma que o fabricante pode optar por inserir o seu padrão ou então sua configuração default. Estes detalhes de implementação podem gerar uma incompatibilidade ou necessidade de alteração da configuração de fábrica para que os equipamentos se comuniquem. Um exemplo que podemos citar (E que veremos com mais detalhes na sequência do artigo) nesta questão de diferença de configuração default é o tamanho do MTU (Maximum Transmission Unit) de um circuito entregue através de uma L2VPN MPLS entre Datacom e Huawei*:

Nos equipamentos Datacom utilizamos na configuração inicial o tamanho 9.198 Bytes enquanto os equipamentos do fabricante Huawei*, como S6720 por exemplo, utilizam o tamanho de 1.500 Bytes como padrão. Este pequeno detalhe de configuração faz com que a VPN não fique UP, e como consequência, não há a entrega do tráfego do cliente.

Este pequeno exemplo nos mostra que além de confiabilidade, facilidade de configuração, suporte técnico e preço, tanto grandes operadoras como pequenos provedores de Internet, devem avaliar também o quesito interoperabilidade na hora de projetar suas redes.

Ciente desta preocupação, a Datacom possui uma infraestrutura de testes sistêmicos que validam a compatibilidade com equipamentos dos principais fabricantes mundiais. A cada nova versão de firmware estes testes são refeitos de forma automatizada garantindo que não houve uma quebra de compatibilidade.

 

1.1 O que veremos neste artigo?

 

Para demonstrar a compatibilidade do MPLS Datacom e Huawei*, foi montado um cenário simples com uma topologia linear envolvendo 1x DM4370 (EDD 10G Datacom) e 2x S6720 da Huawei*. Nesta topologia criamos uma infraestrutura OSPF e L2VPNs dos tipos VPWS e VPLS.

Durante o artigo você verá todos parâmetros necessários para que as VPNs subam, todavia é importante frisar que a maior parte dos problemas de incompatibilidade deste cenário estão relacionadas a configuração do MTU das L2VPN.

Caso deseje verificar como trocar os tamanhos de MTU nas interfaces dos equipamentos Datacom, você pode pular direto para o final do artigo (Capítuto 5. MTU).

 

 

2 Configurações Básicas de Infraestrutura

 

2.1 OSPFv2

 

O OSPFv2 foi o IGP (Internal Gateway Protocol) utilizado para rotear os endereços e servir como parte da infraestrutura do nosso cenário.

A topologia abaixo será utilizada para demonstrar a configuração do OSPFv2.

 

Figura 1. Cenário - Protocolo OSPFv2

 

Esta topologia apresenta a configuração do OSPF na área 0 com network-type do tipo ponto-a-ponto através dos seguintes parâmetros:

- DM4370: Interface L3 na VLAN 10 com endereço IPv4 200.0.0.1/30 e interface loopback com IPv4 200.200.200.3/32 sendo utilizada como router-id no OSPFv2 na área 0.

- Huawei S6720-1*: Interface L3 na VLAN 10 com endereço IPv4 200.0.0.2/30, VLAN 20 com endereço IPv4 200.0.0.5/30 e interface loopback com IPv4 200.200.200.1/32 sendo utilizada como router-id no OSPFv2 na área 0.

- Huawei S6720-2*: Interface L3 na VLAN 20 com endereço IPv4 200.0.0.6/30 e interface loopback com IPv4 200.200.200.2/32 sendo utilizada como router-id no OSPFv2 na área 0.

 

 

Abaixo os principais comandos disponíveis para realizar a verificação do OSPFv2.

 

 

2.2 LDP – Label Distribution Protocol

 

O LDP requer a configuração de um protocolo de roteamento. Utilizou-se como base o OSPF, demonstrado no item anterior.

A topologia abaixo será utilizada para demonstrar a configuração da infraestrutura do MPLS usando LDP.

 

Figura 2. Exemplo de cenário com a infraestrutura LDP

 

 

Abaixo os principais comandos disponíveis para realizar a verificação do LDP.

 

 

3 MPLS L2VPN VPWS

 

Neste item serão demonstrados alguns cenários e configurações de interoperabilidade de VPWS e VPLS entre equipamentos Datacom DmOS com Huawei*.

 

 

O cenário abaixo será usado para demonstrar as configurações de L2VPNs VPWS entre o DM4370 e o Huawei S6720-2.

 

Figura 3. Exemplo de cenário com L2VPN VPWS

 

3.1 L2VPN VPWS com pw-type VLAN

 

Ao selecionar o pw-type como VLAN, todo o tráfego da VPN será transportado com TAG de VLAN de serviço ou service-delimiting.

Abaixo serão demonstrados 2 exemplos de configurações de VPWS: pw-type vlan + vlan based; pw-type vlan port based.

 

3.1.1 VPWS VLAN Based com pw-type VLAN

 

Este modo de configuração permite a conexão de vários clientes na mesma interface de acesso, pois o encapsulamento na VPN é feito quando oocorre o match na vlan dos pacotes recebidos na porta de acesso. No DmOS isto é feito através da config “access-interface” + “dot1q” conforme exemplo abaixo.

 

 

Abaixo os principais comandos disponíveis para realizar a verificação das L2VPNs VPWS.

 

 

3.1.2 VPWS Port Based com pw-type VLAN

 

Na VPN do tipo port based, todo o tráfego recebido na interface de acesso do PE será encapsulado, seja ele com ou sem marcação de VLAN. A excessão desta regra ocorre se existirem outras VPNs do tipo VLAN Based configuradas nesta mesma porta de acesso. Neste caso as VLANs que derem match nas VPNs serão encapsuladas por suas respectivas VPNs enquanto que todo tráfego que não der match em VLAN será encapsulado pela VPN do tipo Port Based. Esta configuração é feita através do uso da “VLAN Delimiting” conforme exemplo abaixo.

 

 

Abaixo os principais comandos disponíveis para realizar a verificação das L2VPNs VPWS.

 

 

3.2 L2VPN VPWS com pw-type Ethernet

 

Ao selecionar o pw-type como Ethernet, todo o tráfego da VPN será transportado sem TAG de VLAN de serviço ou service-delimiting.

Abaixo serão demonstrados 2 exemplos de configurações de VPWS: pw-type vlan + vlan based; pw-type vlan port based.

 

3.2.1 VPWS Port Based com pw-type Ethernet

 

Na VPN do tipo port based, todo o tráfego recebido na interface de acesso do PE será encapsulado, seja ele com ou sem marcação de VLAN. A excessão desta regra ocorre se existirem outras VPNs do tipo VLAN Based configuradas nesta mesma porta de acesso. Neste caso as VLANs que derem match nas VPNs serão encapsuladas por suas respectivas VPNs enquanto que todo tráfego que não der match em VLAN será encapsulado pela VPN do tipo Port Based.

 

 

Abaixo os principais comandos disponíveis para realizar a verificação das L2VPNs VPWS.

 

 

4 MPLS L2VPN VPLS

 

O cenário abaixo será usado para demonstrar as configurações de L2VPNs VPLS entre o DM4370 e o Huawei S6720-2*.

 

Figura 4. Exemplo de cenário com L2VPN VPLS

 

4.1 L2VPN VPLS com pw-type VLAN

 

Ao selecionar o pw-type como VLAN, todo o tráfego da VPN será transportado com TAG de VLAN de serviço ou service-delimiting.

Abaixo serão demonstrados 2 exemplos de configurações de VPLS: pw-type vlan + vlan based; pw-type vlan port based.

 

4.1.1 VPLS VLAN Based com pw-type VLAN

 

Este modo de configuração permite a conexão de vários clientes na mesma interface de acesso, pois o encapsulamento na VPN é realizado quando ocorrer o match na VLAN dos pacotes recebidos na porta de acesso. No DmOS isto é feito através da config “access-interface” + “dot1q” conforme exemplo abaixo.

 

 

Abaixo os principais comandos disponíveis para realizar a verificação das L2VPNs VPLS.

 

 

4.1.2 VPLS Port Based com pw-type VLAN

 

Este modo de configuração permite a conexão de vários clientes na mesma interface de acesso, pois o encapsulamento na VPN é realizado quando ocorre o match na VLAN dos pacotes recebidos na porta de acesso. No DmOS isto é feito através da config “access-interface” + “dot1q” conforme exemplo abaixo.

 

 

Abaixo os principais comandos disponíveis para realizar a verificação das L2VPNs VPLS.

 

 

4.2 L2VPN VPLS com pw-type Ethernet

 

Ao selecionar o pw-type como Ethernet, todo o tráfego da VPN será transportado sem TAG de VLAN de serviço ou service-delimiting.

 

4.2.1 VPLS Port Based com pw-type Ethernet

 

Na VPN do tipo port based, todo o tráfego recebido na interface de acesso do PE será encapsulado, seja ele com ou sem marcação de VLAN. A excessão desta regra ocorre se existirem outras VPNs do tipo VLAN Based configuradas nesta mesma porta de acesso. Neste caso as VLANs que derem match nas VPNs serão encapsuladas por suas respectivas VPNs enquanto que todo tráfego que não der match em VLAN será encapsulado pela VPN do tipo Port Based.

 

 

Abaixo os principais comandos disponíveis para realizar a verificação das L2VPNs VPLS.

 

 

5 MTU

 

A configuração de MTU padrão do Huawei* é diferente dos equipamentos Datacom. No Huawei S6720* o MTU da interface ethernet é de 9216 Bytes, da interface VLAN (Vlanif) 1500 Bytes e das L2VPN 1500 Bytes. Já nos equipamentos Datacom o MTU das interfaces ethernet, segue o máximo suportado pelo hardware de cada modelo, no caso do DM4370 é de 12266 Bytes. Na interface VLAN (interface L3) 1500 Bytes e da L2VPN 9190 Bytes.

Observando essas diferenças de parâmetros é preciso alterar a configuração de MTU da L2VPN em um dos dois equipamentos. No exemplo do artigo foi trocada a configuração dos equipamentos Huawei*.

 

Comandos para troca de MTU no Datacom:

 

- Alterando o MTU de uma interface:

 

- Alterando o MTU de uma VPN:

 

- Alterando o MTU de uma Interface L3:

 

Esses foram os passos necessários para configurar L2VPNs entre Datacom e Huawei. É importante destacar que a Datacom conta com uma estrutura completa em sua matriz onde são ofertados treinamentos presenciais. Com o treinamento de tecnologia MPLS da Datacom, você poderá explorar diversos temas de forma mais aprofundada.

No treinamento será possível manipular os equipamentos, realizar configurações de diversas topologias e cenários de aplicação em um ambiente de laboratório completo, além de poder contar com a ajuda dos nossos profissionais em uma série de boas práticas que ajudarão muito na operação de sua rede.

Para dúvidas e solicitação de proposta, não hesite em contatar a equipe comercial da Datacom: comercial@datacom.com.br ou fone (+55) 51 3933 3000.

 

* Todos os nomes de produtos e empresas de terceiros são marca comercial ou marca registrada de seus respectivos proprietários, não sendo caracterizado nenhum tipo de afiliação ou endosso por eles se mencionados neste documento.

TAGS